Eu preciso ver esse balanço maldito;

Hazel Grace? Está tudo bem?

(O dia estava cinzento, frio e eu estava sentada na grama molhada do meu jardim. Sentada de frente para o balanço que o meu pai havia construído para mim quando ainda era pequena)

Fique um tempo balançando a cabeça.

“Não, não está…”


1010

Aqui está o balanço que o meu pai construiu pra mim. – eu disse a ele enquanto me sentava. “Hazel, eu quero que você saiba que todas as suas tentativas de me afastar de você não diminuirão o afeto que sinto por ti”. E todos nós, Hazel, somos uma bomba relógio.

Essa é uma cena do filme que me faz encolher em qualquer lugar que eu estiver e chorar. Pelo menos umas duas vezes ao ano tenho que deparar-me com o balanço maldito que o pai da Hazel construiu pra ela. E logo com o tanto de vazio que cabe em encolher-me e chorar.

Não precisei assistir ao filme nos últimos tempos, mas hoje o dia está absurdamente frio para quem acostumou-se com o calor (de todas as formas). Dou graças que é essa a personagem que me lembra, que me dá aquele start para escrever sobre dor, ela existe ali no filme e acaba com os créditos finais pra vir morar aqui no meio da minha confusão interna.

tumblr_n70ch0twzw1rng5r5o1_500

“Você e essa mania de não querer ser esquecido”;

Criadores de expectativas:

img_9466

“No fim das contas, ninguém precisa nos oferecer grandes coisas para criarmos expectativas. Elas nascem naturalmente. Elas crescem absurdamente da nossa vontade exagerada e desesperada de sermos felizes logo. Pra ontem. Como se estivéssemos atrasados para pegar o ônibus rumo à felicidade. Sendo assim, ninguém é responsável pelas expectativas que criamos. Carregamos sozinhos a culpa pela ânsia de sorrir.” (Matheus Rocha) De: Neologismo.

Saquarema e o coração que não dormia.

Era o ano de 1995, um ano depois de ter perdido meu avô por parte de mãe, estávamos no Verão e prefiro puxar pela memória e acreditar que estávamos em Janeiro. Era uma criança normal e ansiosa como outra criança que tem vizinho hiperativos. Lembro que a Jane de tarde anunciou que iríamos no dia seguinte para Saquarema, sairíamos às 05 da manhã (viajar enquanto esperávamos amanhecer!!!!!1111). O “sairíamos” continha: eu, minha mãe (a motorista por que até então Jane não queria aprender a dirigir), Jane, a Alessandra e as crianças começando pelo menor, Rennan, Raphael, Daniel e Luciana dentro de um carro grande mas não tão grande para essa quantidade de gente. Meu coração nessa época não ligava para aperto, contanto que chegássemos à praia, a minha primeira viagem pra longe, para o mar longe de Copacabana.

Pensa se eu dormi. Não, eu não dormi e aquilo não tirou a minha energia, pelo contrário. Meu coração passou à noite toda ansioso para viver essa aventura de pegar a estrada – as poucas vezes que peguei a estrada foi quando papai levava a mim e a mamãe para Teresópolis, e então aprendi a guardar dentro de mim uma ansiedade que hoje chamo de “estrada e montanhas” que costuma deixar o coração feliz enquanto o mundo fica para trás.

As crianças da casa ao lado a 202 dormiram de biquíni e sunga. A idade máxima era 11 e já estávamos acostumados a aprontar das nossas quando o assunto era água. Enchíamos o terraço de água fechando o ralo, no fim havia um desnível de chão que formava um bolsão d’água. Dávamos impulso na parede e no meio do terraço nos jogávamos com tudo batendo a barriga no chão ao encontro da mini piscina no fim. Imagina Saquarema!

Não posso contar como foi a viagem pois de verdade não me recordo, mas posso contar da praia mais brava depois da Barra da Tijuca, a da Igrejinha batia com sua ondas imensas que se chocavam com a pedra da igreja. Meu biquíni era verde água e mamãe nunca me impediu de entrar no mar, e desta vez não seria diferente. A diferença é que as crianças sabiam nadar e eu não, acho que nesse dia finalmente enfrentei a dor no coração ao ser submergida por uma onda e descobrir que sobrevivi! E como toda criança, depois da primeira onda vieram umas 100, e lembro da Luciana me ensinando a nadar cachorrinho. Me lembro que veio uma onda tão forte que me jogou lá na areia, não contei como algo ruim, a onda me deu a ideia de entrar no mar, dar as costas e esperar a próxima onda. Assim que a onda viesse me jogaria deixando que ela me levasse de novo para a beira da praia. Foram sucessivas vezes, e como toda criança, sim eu batia nos pés dos adolescentes que estavam na beira esperando para entrar no mar com suas pranchas.

Almoçar? Não lembro. Me hidratar? Não lembro! Adorava ficar queimada de praia nessa época da vida, Jane, minha vizinha, fazia umas misturas estranhas dentro do vidro de detergente, eu nunca usei, só usava o bronzeador dela. Não sabia o que era filtro solar, mas Caladril era muito conhecido! Só de pensar já sinto a pele esturricada e dolorida, os ombros em especial. Era o maior barato ficar com blush natural hahah.

Provavelmente voltamos dormindo, saímos de Saquarema umas 5 da tarde, a melhor hora para pegar a estrada. Aquele entardecer, o cheiro dos ipês que ficam para trás, o vento no cabelo todo embaraçado de sal e sol. O coração tinha certeza de que tinha valido à pena toda aquela aventura, afinal era a primeira vez longe do litoral carioca, afinal eu havia aprendido a nadar em um mar bravo e hoje depois de uns 25 anos manter viva e fresca a memória desse dia.

Esse texto é em homenagem à criança que eu fui, pelo dia das crianças amanhã e pela criança que ainda mora no meu coração. <3

Sim, eu te reconheci!

Sandy, há pouco tempo atrás eu era apenas uma expectadora da sua carreira. Desde 1993 quando a minha vizinha me viu com o cassete de “Pra dançar com você” nas mãos e disse – Leva, alí, bem alí larguei as canções das Paquitas e comecei a ouvir amor pela voz de Sandy & Junior. Cresci secretamente ao seu lado e das minhas melhores amigas cantando junto comigo. Não faltaram tentativas de ir à um show da dupla; o ingresso acabou; “só pode um ingresso por pessoa aqui no Maracanã”; é longe e contra mão para ir. Aí de repente nunca mais poderia vê-los juntos em cima de um palco.

Foram tardes e mais tardes, e noites e noites com uma lamparina ligada em meu quarto com o encarte nas mãos à cantar. Lembro de quase todos os cds que passei a compra depois do cassete. Porém um dos mais especiais foi o da capa “preta” conhecido entre os fãs. Pedi à minha mãe de presente e reclamei que ela nunca havia me dado um presente acompanhado de um cartão. No quarto tinha uma escrivaninha, e foi bem assim que cheguei correndo da escola e fui até o quarto; o cd estava encostado entre uns livros e o cartão ao lado, é tão marcante essa memória, seu olhar fixo e o do Juninho perdido, de lado.

Minha melhor amiga cantora, são tantas histórias, sabe. E agora, grande, responsável pelo dinheiro que ganho já pude ir em dois shows seus, o “Manuscrito” e a turnê “Teaser” que antecedeu o “Meu Canto”. Só te via de pertinho assim, e engraçado que me sentia satisfeita! Faltava aquele autógrafo, aquela foto, aquela proximidade que nos faz sentir a pessoa mais sortuda do mundo.

Só agora em 2016 que essa vontade acendeu de uma forma onde tudo se encaixava para que desse certo. Inventaram o UBER, o VLT e plantaram amigos que já eram seus e agora são meus e seus, nossos! Na corrida por um sonho comprei o dvd, o único, na Americanas da Rua Uruguaiana e de lá saí correndo pra te encontrar. Foram átimos de segundo, correria, eu te entregando o dvd por debaixo da multidão e você, me olhando e perguntando “É Helena, né?” – e foi! Ai, foi, foi mesmo..! Não queria pegar nas partes que você encostou para não tirar as digitais, mas já saiu! O que não sai é essa inspiração, essa felicidade de ter uma foto, esse dvd que foi desembalado às pressas no saguão e que ficou tão mais legal com o Pilot azul!

sandy2SOME DREAMS LIVE ONLY TIME FOREVER (REACH – Gloria Stefan)